Por Larissa Coutinho Fonseca

A primeira comunicação dos nossos bebês é o choro, claro! Mas logo os pequenos começam a se expressar por meio de palavras, mas não palavras assim tão inteligíveis!

Os primeiros treinos para a comunicação oral vem com o balbucio, que representa a primeira experiência  dos bebês com os sons da fala.

mariana [121127]

Apesar de cada criança ter um ritmo próprio que varia de acordo com a personalidade e os estímulos que recebe em seu meio, ela tem um vocabulário mais ou menos uniforme para cada idade. Confira!

Desenvolvimento de linguagem relacionado à aprendizagem…

…até os 3 meses

O bebê fica alerta quando ouve a voz dos pais, especialmente a da mãe.

 

…de 4 a 7 meses

Já faz pequenos sons com a própria voz, brincando com os barulhos que produz, respondendo a sua maneira quando se fala come ela.

Já sorri quando quer a atenção do adulto e se diverte com os jogos do tipo: “Cadê o nenê? Achou!”

Tenta encontrar objetos que estavam a sua frente e que foram escondidos. Ao explorar um brinquedo – olhando, chacoalhando, atirando-o ao chão – está formando o conceito de causa e efeito.

 

…de 8 meses a 1 ano

Fase em que começa a produzir sons do tipo “ma-ma”, “da-da”, “ne-ne” como se estivesse conversando. Ela faz isso quando quer conseguir algo, chamar a atenção, recepcionar alguém, comer, etc.

Compreende o significado de alguns gestos, balança a cabeça quando não quer alguma coisa, bate palmas e mexe as mãos para dar tchau. Pode apontar com o dedo o que deseja pegar.

Começa a reservar cada som para um objeto específico, ou seja, não vai chamar a todos de “ma-mã”, por exemplo.

bebes

 

…de 1 a 2 anos

Fase do grande boom e a criança pode aprender até duas palavras por dia! Ela primeiro faz frases de uma palavra só, como por exemplo, “nenê-bola”, “nenê-naná”, mas termina o ao construindo frases de até três palavras como “quer ver tv”. Nessa etapa a criança não as cansa de fazer perguntas : “o que é isso?”

Já reconhece o próprio nome e até já sabe quando uma ilustração está de cabeça para baixo. A partir dos 18 meses começa a criar frases curtas e seu vocabulário pode ter ate 50 palavras.

 

…de 2 a 3 anos

As frases vão aumentando e surge o plural.  Passa a reconhecer categorias: cães e gatos são animais, bola e boneca são brinquedos. Entende as instruções que recebe, mas pode se recusar a segui-las.

As formas verbais vão ficando mais corretas e começa a fase do “por quê”, que exige grande energia dos pais.

Nesta fase o grau de compreensão é es-pe-ta-cu-lar! Eles entendem tudo o que se conversa à sua volta, até mesmo quando são dois adultos falando em grande velocidade.

 

…3 a 4 anos

Já constrói frases com até seis palavras, sobre o dia-a-dia, situações reais e pessoas próximas, lembra e conta histórias.  A criança compreende a existência de regras gramaticais e tenta usá-las, “eu bebi”, “eu queri”.

Compreende os conceitos de igual e diferente. É capaz de separar os brinquedos por tamanho e cor.

criança-brincando-2

…de 4 a 5 anos

Espera-se que a criança fale cerca de 10.000 palavras. Ela expressa seus sentimentos e emprega verbos como “pensar” e “lembrar”. Também fala de coisas ausentes e usa palavras de ligação entre as sentenças, como “e então”, “porque”, “mas”.

Gosta de inventar e contar as próprias histórias. Já é capaz de identificar letras do alfabeto e números. Demonstra interesse em solucionar charadas e montar quebra-cabeças.

felicidade-criancas

 

E atenção! Lembrem-se: as crianças são diferentes e desenvolvem habilidades em momentos diferentes. Porém, é sempre bom lembrar que em caso de dúvidas, o melhor a fazer é consultar um fonoaudiólogo. Quanto mais cedo uma criança recebe ajuda, melhor será.

 

Larissa Coutinho FonsecaLarissa Coutinho Fonseca é mineira de nascimento, rondoniense de coração e brotense por convicção. Graduou-se em Fonoaudiologia no ano de 1999 pela PUC de Goiás, onde começou sua paixão pela educação de surdos que a fez buscar os estudos de Psicopedagogia. Mais tarde, iniciou especialização em Audiologia e Língua Brasileira de Sinais (tradução e interpretação). Atualmente, estuda e atua em consultório nas áreas de Linguagem e Distúrbios de Aprendizagem (dislexia, alterações do processamento auditivo e TDAH). Autora do perfil @fgalarissa no Instagram.


Larissa Coutinho Fonseca
Fonoaudióloga Clínica / Especialista em Audiologia
CRFa 2 – 5412-6 
Psicopedagoga 
Intérprete de LIBRAS 
Aprimoramento em Linguagem e Transtornos de Aprendizagem: dislexia e TDAH

Compartilhar: