√Č tempo de brindar o brincar! ;) 1


Por Ana Paula Rodrigues

√Č tempo de brindar o brincar!¬†E quando n√£o √©?

H√° tempos escuta-se por a√≠, no universo da maternidade ou no contexto educacional, frases sobre a import√Ęncia do brincar, tais como, “brincar √© a principal atividade das crian√ßas”, “deixem as crian√ßas brincarem”, “brincar √© coisa s√©ria”, entre outras afirma√ß√Ķes.¬†Mas, na pr√°tica vejo cada vez menos coer√™ncia.

Recebo crianças e famílias em meu consultório com diferentes queixas e demandas:

– “A escola acha que meu filho precisa de um refor√ßo”;

– “Ele j√° tem 6 anos e ainda n√£o se alfabetizou”;

– “Est√° chorando muito”;

– “N√£o consegue cumprir regras”;

– “N√£o sabe lidar com limites e n√£o gosta de ouvir N√ÉO”;

– “Desde que a irm√£ nasceu mudou muito o comportamento”;

– “Bate muito nos colegas e, √†s vezes, ¬†bate at√© nos adultos”.

– Mostra-se irritado, dorme mal…”

Mas ninguém, ninguém mesmo, nunca me procurou para garantir ao filho um espaço para brincar, um tempo para ampliar o repertório de brincadeiras, para usar esta linguagem de maneira organizada e sistemática!

Brincar é muito mais do que rodear a criança com brinquedos ou deixá-la envolvida por um tempo com materiais coloridos. Brincar é muito mais que deixar passar o tempo enquanto os adultos fazem suas tarefas, ou, adquirir dezenas de jogos que prometem ajudar na construção lógico-matemática ou até mesmo nas hipóteses de escrita e formação de palavras.criancas-brincando-44092

Para brincar n√£o basta deixar a crian√ßa imersa em uma montanha de op√ß√Ķes.

Sim! Elas podem brincar independente dos adultos! E o fazem com maestria! Mas isso não é tudo!

√Č preciso aprender a brincar! Assim como qualquer outra linguagem, o Brincar tamb√©m pede intera√ß√£o, troca, di√°logos!

Portanto, assente-se com o bumbum no chão, aproxime-se das crianças, peça permissão para entrar na brincadeira.

Silviamartins.com.br

hora de brincar! entrando na brincadeira com elas

Faça cena de que não entendeu e deixe que ela explique ou mostre como se brinca, faça perguntas, ocupe o lugar de quem deseja aprender também.

Lance um desafio, provoque a busca de maiores possibilidades, favore√ßa a infinidade de jeitos de brincar com um mesmo objeto, transforme ambientes com panos e caixas, relembre brincadeiras de sua inf√Ęncia ou do “tempo da vov√≥” e conte sobre elas, resgatando o valor cultural impregnado nas formas de brincar!

“Mas como vou fazer isso??? Estou sem tempo e n√£o sou boa nisso.” Comece com frases e atitudes mais ou menos assim, √≥:

– Hummm! Que legal! Posso ficar aqui pertinho assistindo sua brincadeira?

РTambém posso experimentar?

РComo você consegue fazer isso?

– Olha o meu jeito! Ser√° que consegue fazer igual?

– E se essa caixa virasse um avi√£o? Podemos voar! Vamos viajar?

– Podemos fazer uma cabaninha com esse pano?! Vai ser o nosso esconderijo!

– Xiiiii… N√£o vale fazer barulho para ningu√©m descobrir a gente aqui! (Sussurrando)

– Eu posso ser o filho?

РEsse potinho vai ser a panela! Vamos lá fora buscar gravetos e grama para fazer de conta que é a comida?!

– J√° sei! Tive uma ideia: vamos virar bicho? Eu vou ser um sapo e vou pulando!

– Agora virei cobra e vou arrastar meu barrig√£o no ch√£o!

Eu ficaria aqui por mais uns tr√™s dias listando possibilidades… Mas agora √© sua vez! J√° reservou uns minutinhos para brincar com os pequenos hoje?!

Vai lá! Experimente! Garanto que as conquistas serão imensamente maiores que o tempo dedicado a esta experiência!

brincar

Se sentir vontade, me conte como est√£o sendo estes momentos!¬†Estarei aqui, na torcida, para que a “brincadeira”¬†seja, de fato, a principal atividade da sua crian√ßa!

 

Gostou? Compartilhe conosco nos coment√°rios!

 

MUITAS IDEIAS PRONTAS PRA USAR!√Č tempo de brindar o brincar! ;) 2

 

Conheça a AUTORA!

Ana Paula

Ana Paula Alves Rodrigues é Psicóloga Infantil, estudiosa da Psicanálise e especialista em Educação, Psicologia e Psicopedagogia.

Trabalha em consultório particular com Crianças (Clínica Infantil), além de fazer formação de professores, assessoria a educadores e a pais e mães.

√Č autora do Instagram¬† @ana_escuta_a_infancia onde se¬†esfor√ßa para provocar reflex√Ķes sobre o universo infantil e suas m√ļltiplas possibilidades, pautadas na concep√ß√£o de “inf√Ęncia assistida” e suas linguagens.

 

Ana Paula Alves Rodrigues
ana.escutaainfancia@hotmail.com
+055 (31) 99413-1079
Psicologia Clínica Infantil
Psicopedagogia
Formação de Professores Ed. Infantil

 

Quer receber MATERIAIS EXCLUSIVOS? Clique no LINK para entrar GRUPO VIP no TELEGRAM > t.me/papodaprofessoradenise

Compartilhar:

 

Conte√ļdo relacionado

 

Como comemorar o Halloween na escola 4

Neste post compartilho objetivos, brincadeiras e o porque se deve trabalhar o Halloween na escola. Se você está buscando ideias de como comemorar o Halloween na escola com atividades fáceis e pedagógicas, esse texto é para você!

Ver Mais
Subscribe
Notify of
guest
2 Coment√°rios
Newest
Oldest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Ana Lucia
Ana Lucia
7 anos atr√°s

Ol√° j√° fiz um coment√°rio e parabenizo vcs que se interessam em abrir discuss√Ķes desses temas √© importante que possamos discutir. Aproveito para deixar nosso site do projeto com m√ļsicas infantis.
Site:www.cantandocomascriancas.com.br
Facebook: Grupo Cantando com as Crianças.

Ana Lucia
Ana Lucia
7 anos atr√°s

Ol√° sou prof de educa√ß√£o infantil e vejo tudo isso na escola. Pela falta de espa√ßos nas ruas e at√© mesmo nas casas as crian√ßas desprenderam o brincar, e sabemos que o movimento √© tudo para elas. √Č assim que desenvolvem a psicomotricidade. Falta um maior envolvimento das fam√≠lias nesta quest√£o.

Carrinho