Por Denise de Souza Pinto Ferreira

Existem muitas definições sobre o que é alfabetização, mas basicamente todas apontam que alfabetizar é uma habilidade de aquisição cognitiva básica, a chave para colocar a criança dentro do contexto da aprendizagem.

Inegavelmente o rendimento escolar depende muito da compreensão do que se lê, então precisamos ter clareza sobre o que as crianças precisam aprender e saber o que podemos fazer para ajudar a criança a avançar na aprendizagem.

Nessa conversa, nossa intenção é trazer informações baseadas em evidências cientificas relacionadas à alfabetização que possam ajudar na aprendizagem das crianças agora.

 

Conheça os pilares essenciais para alfabetização 2

EVIDÊNCIAS CIENTIFICAS APONTAM CAMINHOS

Aprender a ler não é um processo natural em que a criança consiga realizar sozinha. É preciso intervenção didática sistematizada com a ajuda de professores para serem apreendidos.

Recentes pesquisas desenvolvidas em diversos países revelam dados importantes e com isso tivemos um progresso gigantesco no conhecimento das ciências cognitivas em relação ao processo de aprendizagem da leitura e escrita e metodologias de alfabetização.

Um grande exemplo sobre esses estudos é o que foi realizado nos Estados Unidos nos anos 2000: um relatório científico sobre a alfabetização foi produzido por várias universidades, formando o “National Reading Panel” – um painel nacional de estudos – tendo como objetivo avaliar a eficácia de diferentes abordagens usadas para ensinar as crianças a ler e escrever, baseando em evidências da pesquisa científica.

Depois de uma rigorosa metanálise quantitativa onde foram analisados milhares de estudos sobre alfabetização, os pesquisadores americanos conseguiram identificar os pré-requisitos mais importantes para a criança ter sucesso na alfabetização.

 

PILARES ESSENCIAIS PARA ALFABETIZAÇÃO

No relatório do National Reading Panel (NATIONAL READING PANEL, 2000) foram identificados cinco pilares para a alfabetização de qualidade: a consciência fonêmica, a instrução fônica sistemática, a fluência de leitura, o vocabulário e a compreensão de textos.

Trataremos aqui sobre 4 pilares considerados importantes para serem trabalhados desde antes do ensino formal e que formam a base para o sucesso na aprendizagem:

  • A aquisição de vocabulário
  • A compreensão
  • O conhecimento das letras do alfabeto
  • A consciência fonológica

Pesquisadores recomendam que essas habilidades básicas devem ser estimuladas desde cedo, tanto em casa quanto na escola de educação infantil, para tornar natural para a criança aprender a leitura e escrita.

 

 

COLOCANDO A CIÊNCIA EM PRÁTICA

Seguem ideias para aplicar esses conhecimentos com uma breve descrição conceitual sobre as habilidades preditoras da alfabetização e sugestões de atividades:

 

AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO

Trabalhar o vocabulário da criança é um dos mais importantes precursores para potencializar o desenvolvimento da alfabetização.

Ter vocabulário é ter repertório de palavras. É quando a criança aprende a nomear as coisas.

A instrução de vocabulário é a chave para aprender a conexão entre falar, ler, escrever e compreender.

 

Uma atividade para desenvolver essa habilidade:

  • Fale com as crianças: quando perguntam, respondemos, inclusive com palavras novas que a criança não conhece.

 

A COMPREENSÃO

Compreender é entender o que se ouve, compreender ordens simples, histórias.

A compreensão faz com que a criança comece a estabelecer o diálogo e assim começa a se socializar e explicar o que pensa.

 

Uma atividade para desenvolver essa habilidade:

  • Contar ou ler histórias: ler para a criança ou ler e estabelecer um diálogo sobre essa leitura – isso desenvolve a memória de trabalho

 

O CONHECIMENTO DE LETRAS DO ALFABETO

Conhecer e nomear as letras do alfabeto é um conhecimento social, a representação visual e auditiva dos sons.

O grande problema da alfabetização está em juntar as letras e formarem palavras com significado e os sons das letras precisam estar organizados numa sequência para termos a ideia do que significa uma palavra.

 

Uma atividade para desenvolver essa habilidade:

  • Com jogos e atividades que envolvam letras móveis

Quando começamos a estimular?

Quando percebemos que a criança consegue identificar os sons das palavras, já estão prontas para aprender a manipular esses sons oralmente, então ela já tem a base para entrar no processo de reconhecimento visual das letras.

A CONSCIÊNCIA FONOLÓGICA

A consciência fonológica é a base da alfabetização. É a capacidade de reconhecer e trabalhar com sons na linguagem falada.

Essa é uma habilidade meta cognitiva, ou seja, que precisa da capacidade de perceber e refletir sobre sons que falamos e entender que a fala é segmentada em sons.

É a capacidade de perceber que a nossa fala pode ser dividida em várias unidades, ou seja, a frase pode ser dividida em palavras, as palavras em sílabas e as sílabas em fonemas.

É a habilidade  mais difícil de ser construída, pois inclui várias etapas, envolve memória fonológica (memorizar os sons) e produção fonológica (manipular esses sons).

A consciência fonológica é fundamental para aprender a ler qualquer sistema de escrita alfabética (Ehri, 2004; Rath, 2001; Troia, 2004)

 

SUB-HABILIDADES DA CONSCIÊNCIA FONOLÓGICA

A consciência fonológica é composta por um grupo de habilidades que ajudam a explorar os elementos da linguagem e contribuem com o processo de alfabetização:

 

CONSCIÊNCIA DE PALAVRAS (consciência sintática)

É a capacidade de segmentar a frase em palavras, organizá-las e dar-lhe sentido.

Essa habilidade é responsável pela escrita não aglutinada das palavras na frase.

Exemplo:  VOCÊ PEGOU A BONECA? – VOCÊPEGOUABONECA?

 

Uma atividade para desenvolver essa habilidade:

  • Trabalhe com  ordenação de frases de músicas conhecidas ou frases aglutinadas para serem recortadas e separadas as palavras.

 

CONSCIÊNCIA SILÁBICA

É a capacidade de segmentar palavras em sílabas, onde a criança precisa identificar e discriminar as sílabas e perceber que a palavra pode ser separada em pedaços.

Uma atividade para desenvolver essa habilidade:

  • Coloque a criança em movimento, fazendo-a pisar ou pular com cada sílaba de palavras desenhadas no chão.

Muitos professores fazem a atividade de falar uma palavra e bater palma a cada sílaba, enquanto pronúncia em voz alta. É um bom exemplo, mas pode não funcionar com crianças com autismo ou TDAH.

 

RIMAS E ALITERAÇÕES

Aliteração  é a repetição de sons de consoantes iguais ou semelhantes.

Exemplo: “O rato roeu a roupa do rei de Roma.”

Essa frase tão conhecida é um exemplo. Nela temos a repetição do som do “R” no início das palavras.

 

A rima é a correspondência fonética das palavras e se caracterizam pela repetição de sons, conferindo musicalidade à uma frase ou poema. As rimas podem ser:

Da palavra: PASSARINHO| SAPATINHO

Da sílaba: BALÃO | SABÃO

Sonora: OSSO | PESCOÇO

 

Uma atividade para desenvolver essa habilidade:

  • Cantar músicas infantis rimadas e identificar as palavras que combinam

 

CONSCIÊNCIA FONÊMICA

A consciência fonêmica é a capacidade de manipular e isolar os fonemas que compõem uma palavra.

Para ter consciência fonêmica a criança precisa ser capaz de ouvir, identificar e manipular os fonemas.

Por exemplo, na linguagem oral as palavras “manto” e “canto” se distinguem apenas pelos fonemas “m” e “c”.

 

Uma atividade para desenvolver essa habilidade:

  • Brinque com a criança de “LETRA MÁGICA”. Mude apenas um fonema para transformar o significado da palavra:

CABELO SE TRANSFORMARIA EM ? _______________ (CAMELO)

COELHO SE TRANSFORMARIA EM? _______________ (JOELHO)

 

QUER SABER MAIS SOBRE ALFABETIZAÇÃO?

CLIQUE AQUI PARA VER ATIVIDADES E TEXTOS SOBRE O TEMA!

 

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Precisamos valorizar o que professores fazem em sala de aula e o que sabem que funciona em relação à alfabetização.

Países que tiveram sucesso usaram desses conhecimentos e de fato melhoraram a alfabetização de suas crianças, mudaram seu modo de ensinar, revendo suas práticas e buscando fundamentos nas evidências mais atuais da Neurociência para ajudar as crianças a aprender a ler e a escrever de modo mais eficiente.

 

“Nenhum vento ajuda a quem não sabe para que porto deseja velejar.”  Montaignes

 

Gostou dessas ideias? Compartilhe conosco nos comentários!

 

CLIQUE E CONHEÇA A LOJA DO BLOG!
AQUI TEM MUITAS IDEIAS PRONTAS PRA USAR!

 

Conheça a Professora Denise

Atividade para quarentena em casa: como foi a semana? 8

 

Denise Ferreira é professora, apaixonada pela arte de educar. É pedagoga e tem extensa experiência como coordenadora pedagógica e com formação de professores em cursos do PROEPRE do Laboratório de Psicologia Genética da Faculdade de Educação da UNICAMP.

Atualmente, trabalha como blogueira, como professora do Fundamental I, e é autora do Instagram Facebook  , Canal do Youtube e blog  Papo da Professora Denise.

 

REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

National Reading Panel. Report of the National Reading Panel-Teaching Children to Read: An Evidence-Based Assessment of the Scientific Research Literature on Reading and Its Implications for Reading Instruction. Washington, D.C.: National Institute of Child Health and Human Development, 2000.

Brasil. Ministério da Educação. Secretaria de Alfabetização. PNA Política Nacional de Alfabetização/Secretaria de Alfabetização. – Brasília : MEC, SEALF,2019.

BRASIL. Congresso Nacional. Câmara dos Deputados. Comissão de Educação e Cultura. Grupo de trabalho alfabetização infantil: os novos caminhos: relatório final. 2. ed. Brasília: Câmara dos Deputados, 2007.

Piccoli, Luciana – Camini Patrícia. Práticas pedagógicas em ALFABETIZAÇÃO: espaço, tempo e corporeidade. Erechim: Edelbra, 2012.

SOARES, Magda. Alfabetização e letramento: caminhos e descaminhos. Revista Pátio. Artmed Editora. Unesp: São Paulo, 2004.

Santos, Maria José dos – Maluf, Maria Regina. Intervenções em consciência fonológica e aprendizagem da linguagem escrita.  Bol. – Acad. Paul. Psicol. vol.27 no.1 São Paulo jun. 2007. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-711X2007000100014 .Acesso em: 10 de jul. de 2020.

Kelli Johnson, MA. 9 Ways to Build Phonological Awareness in Pre-K and Kindergarten. Disponível em: https://www.understood.org/en/school-learning/learning-at-home/encouraging-reading-writing/9-ways-to-build-phonological-awareness-in-pre-k-and-kindergarten .Acesso em: 10 de jul. de 2020.

Kelli Johnson, MA. 8 Ways to Build Phonological Awareness in Grade-Schoolers. Disponível em: https://www.understood.org/en/school-learning/learning-at-home/encouraging-reading-writing/8-ways-to-build-phonological-awareness-in-grade-schoolers .Acesso em: 10 de jul. de 2020.

Luciana Brites. Quais são as sub-habilidades da consciência fonológica? NeuroSaber. Disponível em: https://neurosaber.com.br/quais-sao-as-sub-habilidades-da-consciencia-fonologica/ .Acesso em: 10 de jul. de 2020.

Paula Salas. PNA: O que o MEC pensa sobre Alfabetização? NOVA ESCOLA, 10 de Setembro de 2019. Disponível em: https://novaescola.org.br/conteudo/18313/pna-o-que-o-mec-pensa-sobrealfabetizacao .Acesso em: 10 de jul. de 2020.

Assessoria de Comunicação Social. Coordenador do MEC analisa o grande debate sobre os métodos de alfabetização. Portal MEC, 3 de abril de 2019. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/ultimas-noticias/222-537011943/74761-coordenador-do-mec-analisa-o-grande-debate-sobre-os-metodos-de-alfabetizacao .Acesso em: 10 de jul. de 2020.

 

Compartilhar: